Adoçantes artificiais podem prejudicar sua saúde intestinal

Adoçantes artificiais podem prejudicar sua saúde intestinal

Procurados por muitos que desejam reduzir o consumo de açúcares da dieta, os edulcorantes conferem sabor doce aos alimentos e oferecem uma intensidade muito maior de doçura por unidade de peso do que a sacarose. 

Os adoçantes foram introduzidos na indústria de alimentos com a finalidade de produzir sabor adocicado sem adicionar valor energético. Por este motivo, muitos produtos são disponibilizados nas prateleiras com adoçantes artificiais, como por exemplo, os refrigerantes, sobremesas, iogurtes, gomas de mascar, biscoitos, etc. Produtos comumente utilizados por diversas pessoas, numa ampla faixa etária. Também são procurados por indivíduos que sofrem de intolerância à glicose (açúcar) e diabetes mellitus do tipo 2.

Os adoçantes artificiais podem trazer alguns efeitos indesejáveis, prejudicando a saúde intestinal, por exemplo. Entenda melhor esta relação entre os adoçantes e a microbiota, além dos tipos de adoçantes de dosagem aceitáveis para consumo.

Tipos de Adoçantes

Os adoçantes são classificados como artificiais e os naturais. Os edulcorantes naturais são aqueles obtidos a partir de plantas.

Os edulcorantes artificiais ou sintéticos, são obtidos por diversos produtos, não somente naturais, através de reações químicas. 

Os adoçantes artificiais regulamentados que são comercializados no Brasil, assim como o consumo aceitável de cada um deles são:

  • Sacarina: foi estabelecido em 5mg/kg de peso/dia. 
  • Sucralose: foi estabelecido em 15mg/kg de peso/dia.
  • Aspartame: dose diária admissível foi fixada em 4mg/kg de peso corporal pelo Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares (JECFA).
  • Acessulfame-K: foi fixado em 15mg/Kg de peso corporal pelo Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares (JECFA).
  • Ciclamato: ficou estabelecido 11mg/kg de peso corporal/dia. 

Entretanto, o que diversos estudos têm mostrado é que o uso prolongado de adoçantes artificiais podem causar o efeito oposto ao desejado, tais como:

  • Ganho de peso
  • Desenvolvimento de diabetes tipo 2
  • Aumento de problemas cardiovasculares
  • Redução da fertilidade 
  • Problemas intestinais, como a disbiose

Para entender este último efeito indesejado com o uso de adoçantes artificiais, a disbiose e outros problemas intestinais, vamos conhecer melhor a microbiota é formada e suas funções principais.

Microbiota Intestinal

O intestino é densamente povoado por microorganismos, denominados como probióticos, bactérias benéficas para a saúde. 

Cada indivíduo possui uma microbiota intestinal única, conhecida também como flora intestinal, sendo em parte definida geneticamente e em outra determinada por fatores, como tipo de parto, amamentação, idade, exercício, hábitos alimentares e uso de antibióticos. 

A microbiota é responsável por funções essenciais para a integridade da saúde do organismo, tais como:

  • Digestão de alimentos
  • Formação do sistema imunológico
  • Absorção de vitaminas e minerais 
  • Proteção do trato gastrointestinal contra colonização por agentes agressores

Adoçantes artificiais e alterações na saúde intestinal

A sacarina, em diversos estudos demonstrou que apesar de não ser digerida por completo, é capaz de alterar a composição da microbiota intestinal, o que pode levar a distúrbios metabólicos que causam o desenvolvimento de intolerância à glicose, condição que precede o diabetes tipo 2.

O aspartame apresentou em diversos testes maiores níveis de glicemia em jejum e resistência à insulina, associada à alteração na composição da microbiota. Assim como o acessulfame-K, pode estar relacionado ao ganho de peso e alterações na microbiota, com aumento significativo de Bacteroides, Anaerostipes e Sutterella

Portanto, como o consumo de edulcorantes artificiais podem interferir direta e indiretamente na microbiota intestinal, sendo capaz de alterá-la, levando a distúrbios metabólicos, em substituição, são recomendados os adoçantes naturais, ainda sim, consumidos com moderação, como por exemplo a planta Stevia Rebaudiana

Referências:

abioquimicacomoelae.com.br/6-numeros-anteriores/numero-3/textos/adocantes-artificiais-provocam-doencas-metabolicas-por-alterarem-a-microbiota-intestinal/

poscardio.ufrj.br/index.php/pt-BR/producao-intelectual/projetos/mestrado/projetos-mestrado/96-associacao-do-consumo-habitual-de-adocantes-artificiais-e-produtos-dieteticoscom-alteracoes-na-microbiota-intestinal-eperfil-glicidico-e-lipidico/file

https://bdm.ufmt.br/bitstream/1/1626/1/TCC_2019_Rafaela%20Carlini%20Marin.pdf

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.