Os benefícios da chia no emagrecimento

Os benefícios da chia no emagrecimento

A chia (Salvia hispanica L.) é considerada um superalimento, uma semente muito antiga, que já era utilizada pelos maias e astecas como fonte alimentar para aumento da resistência física. Além de ser versátil, pode estar presente em diversos momentos do dia, incluindo a elaboração de receitas salgadas e doces. 

Confira os benefícios da chia no emagrecimento, quem pode utilizar, como pode ser encontrada e consumida.

Chia: um super alimento

Essa semente possui um elevado valor nutricional com alta concentração de ácido α-linolênico (ômega-3) e linoléico (ômega-6), antioxidantes, fibra dietética e proteínas. 

Cerca de 40% do seu peso total é composta de lipídios, ou seja, gorduras boas como o Ômega 3, 30% composta de fibras dietéticas e 19% de proteínas de elevado teor biológico. 

Contém vitaminas, minerais e antioxidantes que auxiliam na prevenção de diversas doenças degenerativas, como doenças cardiovasculares e câncer. 

Como a chia auxilia no emagrecimento? 

Claro que um único alimento não será eficaz para o emagrecimento, pois não existe nenhum milagre. É necessário adequar à alimentação e incluir exercícios físicos na rotina. 

Conheça alguns nutrientes importantes e benefícios da chia no emagrecimento.

Fibras

A alta quantidade de fibras da semente de chia, cerca de 30%, pode aumentar e prolongar a sensação de saciedade, desta forma, a pessoa passa a comer menos, reduzindo a fome e a compulsão alimentar. 

Controle do índice glicêmico

A semente é aliada para controlar o índice glicêmico. Estudos demonstram que o consumo de chia colabora para que a glicose (açúcar) seja liberada lentamente no organismo, evitando picos de insulina no sangue e o consequente acúmulo de gorduras no corpo e excesso de peso. Além de prevenir a diabetes tipo 2, uma doença que apresenta uma resistência aos efeitos da insulina – hormônio que regula a entrada de açúcar nas células.

Auxilia no controle do Colesterol

Parte de composição desta semente são os ácidos graxos, o ômega 3 e ômega 6. Nutrientes importantes para reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o colesterol bom (HDL) no sangue. 

Estes ácidos graxos ainda evitam o aumento da pressão arterial, tem função anti-inflamatória e reduzem a formação de coágulos sanguíneos e arritmias. Contribuindo na prevenção de doenças como hipertensão, infarto e derrame. 

Proteínas

O percentual de proteínas da semente de chia fica em torno de 20%, semelhante ao da lentilha, ervilha e grão de bico, 23%, 25% e 21% respectivamente.

A semente contém aminoácidos essenciais, aqueles que não são produzidos pelo o organismo. Além de ser um alimento nutritivo, as proteínas também possuem a função de atuar na manutenção da massa muscular e aumentar a saciedade, reduzindo o apetite e contribuindo no emagrecimento. 

Quem pode consumir?

Pode ser consumida por crianças, gestantes, adultos, idosos e veganos. Um alimento nutritivo e que só trará benefícios para a saúde se incluída na rotina alimentar. 

Como pode ser encontrada e consumida?

Semente

Os grãos podem ser acrescentados em bebidas, como sucos, vitaminas e até mesmo em água. Ainda pode ser utilizada em saladas, iogurtes naturais, frutas e para elaboração de receitas, como pães, bolos e biscoitos. 

Farinha

Pode ser adicionada a frutas, sucos, leite, iogurte, sobremesas, sopas, lentilha, feijão, bolos, biscoitos e pães. 

Para obter todos os benefícios, como o ômega 3, a chia precisa ser triturada e utilizada logo após a moagem ou ser armazenada em um pote não translúcido dentro da geladeira por no máximo 3 dias. 

A recomendação diária para consumo é de 1 a 2 colheres de sopa. 

Óleo de chia

Possui uma maior concentração de ômega 3 quando comparado com as sementes, no entanto, possui menos fibras. 

O óleo de chia deve ser utilizado para temperar pratos frios ou prontos, não deve ser levado a altas temperaturas. 

Sugere-se o consumo de 2 a 3 colheres de sopa por dia. 

Referências:

ROCHA, Y. et al. CHIA (SALVIA HISPANICA) BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE HUMANA: UMA REVISÃO SOBRE ENSAIOS CLÍNICOS EM HUMANOS. Percurso Acadêmico, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, jul./dez. 2017

https://www.scielo.br/pdf/bjft/v17n4/1981-6723-bjft-17-4-259.pdf

http://periodicos.unesc.net/Inovasaude/article/view/3757

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.