Constrangimento com a acne pode causar depressão

Acne e depressão, veja como evitar

Até quem nunca teve espinhas sabe como a acne pode causar desconforto e constrangimento. Mas o que é pouco divulgado é que esse problema pode causar baixa autoestima, ansiedade, insegurança, isolamento social e até desencadear casos de depressão, segundo Otávio Macedo, dermatologista cosmiatra [especializado em cuidados estéticos com a pele]. Em entrevista ao NatueLife, o médico ressalta a necessidade de cuidados específicos nos casos graves e afirma que se tratada de maneira eficaz, a acne tem cura. Confira:

VEJA PRODUTOS ANTIACNE AQUI.



NatueLife – Porque a acne causa depressão, principalmente em jovens?
OM – A aparência tem impacto social e emocional forte, principalmente a aparência da face, que em geral não pode ser coberta. Além disso, a adolescência é um período de muitas mudanças, tanto físicas quanto psíquicas, uma fase em que a aparência é ainda mais importante. O comprometimento estético da acne pode causar vergonha, constrangimento, ansiedade, insegurança, isolamento social e até desemprego, o que afeta muito a qualidade de vida, com consequências sérias que podem persistir pelo resto da vida. A acne grave também se associa com raiva e ansiedade.

NatueLife – Em caso de acne grave, em que o adolescente não sabe mais lidar com ela, sendo afetado até emocionalmente, só o tratamento dermatológico não resolve, certo? Há alguma maneira da família do adolescente ajudar no tratamento?
OM – Nesses casos de acne grave, o acompanhamento de um psiquiatra ou psicólogo também é fundamental. Hoje, no nosso arsenal terapêutico, temos a isotretinoína oral que revolucionou o tratamento da acne e é usada em pacientes muito afetados emocionalmente pela doença, possibilitando a cura. No entanto, a opinião do FDA [órgão que regulamenta o uso de medicamentos nos Estados Unidos] é de que ainda não há uma conclusão final da associação entre o uso de isotretinoína e o aumento do risco de ansiedade, depressão ou ideias suicidas, tendo emitido um alerta recomendando que pacientes em uso de isotretinoína devem ser observados quanto a sintomas de depressão, como mau humor, raiva, sono demais ou de menos, perda de peso, dificuldade de concentração, pensamentos suicidas, dentre outros. Quando esses sintomas já estão presentes, é recomendada a avaliação psiquiátrica antes e durante, concomitante ao tratamento da acne.

Natuelife – Quais os tipos de tratamentos médicos para espinhas? Há algum tratamento caseiro que ajude ou não é aconselhável?
OM – O tratamento depende da forma clínica da acne, da gravidade e de algumas características individuais, como tipo de pele e a adesão ao tratamento, sendo importante um acompanhamento dermatológico e não recomendado um tratamento caseiro. A rotina de cuidados em geral envolve a limpeza da pele pela manhã e à noite. Medicamentos orais são necessários na acne mais grave porque os antibióticos orais ajudam a eliminar as bactérias e a reduzir as inflamações. Pílulas anticoncepcionais e outros medicamentos que regulam os hormônios podem ser úteis para as mulheres. Sem contar as limpezas de pele, tratamentos à laser e outras terapias com luz que tratam lesões ativas, cicatrizes e manchas residuais. Já os peelings químicos podem ajudar no tratamento de cravos e espinhas, além de auxiliar no tratamento das manchas e cicatrizes.

NatueLife – Como evitar que a acne piore no rosto e no corpo?
OM – O aparecimento da acne depende da predisposição genética, da obstrução folicular [poros], do aumento na produção do sebo e da proliferação de bactérias que vivem normalmente sobre a pele. Assim, existem situações que favorecem o seu aparecimento, principalmente por quem já possui algum tipo de acne e devem ser evitadas para evitar que a acne piore:- Exposição solar intensa, estresse emocional e suplementos alimentares, como whey protein, assim como leites e derivados.
– Uso de produtos oleosos sobre a pele que provocam a obstrução dos poros, como bronzeadores, cosméticos, óleos e graxas.
– Uso de cortisona por via oral ou sobre a pele.
– Uso de ciano cobalamina [uma forma de suplementação B12] em altas doses, assim como iodo e anticonvulsivantes.
– Consumo de alimentos muito calóricos com alto índice glicêmico, como o açúcar e a farinha branca.



Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.