Descubra o que atrapalha o seu emagrecimento

emagrecimento_capa

Artigo de especialista - Karina Ribeiro*

O emagrecimento não é uma simples matemática que consiste somente na contagem de calorias, ou seja, em comer menos e gastar mais. Alguns fatores podem dificultar esse processo e cabe ao profissional que realiza o seu acompanhamento analisar minuciosamente cada um deles. Podemos citar os principais:



Disbiose

Pode ser definido como um desequilíbrio da flora intestinal, predominando bactérias patogênicas. Pode ser causada pelo uso de medicamentos (como antibióticos e anti-inflamatórios), alimentação inadequada, estresse, dentre outras causas. A flora intestinal tem uma possível relação com a obesidade, podendo contribuir para a extração de calorias adicionais na dieta e também atando na expansão do tecido adiposo.

Dieta pró-inflamatória

Sabe-se que o indivíduo com excesso de peso é “ inflamado”. Isso mesmo: estudos comprovam que   indivíduos com maior IMC (Índice de Massa Corporal) têm níveis mais elevados de PCR (Proteína C Reativa). Além disso, a alimentação inadequada com a ingestão de alimentos de alto índice glicêmico (carboidrato de rápida absorção) e alimentos pobres em fibras, com gorduras saturadas, pode gerar uma inflamação que dificulta a queima de gordura.

Disruptores endócrinos

Podem ser definidos como agentes e substâncias orgânicas e inorgânicas que provocam alterações no sistema endócrino. Podem aparecer tanto em áreas urbanas e rurais, presentes na água, vasilhas de plásticos (bisfenol), em herbicidas, pesticidas, revestimentos internos de latas, produtos de limpeza, dentre outros. Os disruptores endócrinos atuam no corpo diminuindo ou aumentando a quantidade de hormônios ou bloqueando a sua ação.

Permanecer longas horas sem se alimentar

Fracionar as refeições favorece a termogênese. Ficar longas horas sem se alimentar faz o indivíduo ingerir mais alimentos na próxima refeição, logo ocorre maior absorção de glicose e maior estoque de gordura corporal.



Desequilíbrio de nutrientes

As vitaminas e minerais são responsáveis por regular o metabolismo.  O iodo, por exemplo, regula os hormônios da tireoide, o cálcio auxilia na queima de gordura e o cromo regula o metabolismo e a glicose. Por isso, é importante uma alimentação variada para garantir o aporte de todos os nutrientes.

Retirar carboidrato da dieta

carboidrato é a principal fonte de energia para o organismo. Esse nutriente também faz parte do processo da “queima” da gordura corporal, além disso, a alta desse macronutriente pode causar hipoglicemia, levando à fraqueza e vertigem. O mais sensato é moderar seu consumo e escolher aqueles com melhor qualidade nutricional.

Ter uma alimentação monótona

Isso dificulta o seguimento do plano alimentar e, ao consumir menor variedade de alimentos, também há menor ingestão de nutrientes e compostos funcionais benéficos à saúde.

Ansiedade/Estresse

O estresse aumenta os níveis do hormônio cortisol, que altera a microbiota intestinal, que pode levar à compulsão alimentar e favorecer o aumento de gordura corporal, em especial na região abdominal.

Sedentarismo

Além de auxiliar a perda de peso, a atividade física melhora a função intestinal e a circulação sanguínea, assim como contribui para um sono de qualidade e libera endorfinas que dão sensação de bem-estar e aliviam o estresse.

Portanto, para uma perda de peso saudável e eficiente, procure o auxílio de um nutricionista. Nada de fazer dietas por conta própria! 😉

*Karina Ribeiro é nutricionista graduada pela PUC-MG, pós-graduada em Nutrição Funcional e pós-graduanda em Nutrição Esportiva.



Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.