Fome psicológica e Comer emocional: como parar de pensar em comida?

Fome psicológica e Comer emocional: como parar de pensar em comida?

Existem 3 tipos de fome psicológica: a vontade, a social e a emocional. Mas como formiguinhas, faremos a explicação por partes e  falaremos sobre a fome emocional ou o comer emocional.

O comer emocional é quando a comida se torna uma válvula de escape ou um sistema de alívio instantâneo para vários sentimentos.

Para algumas pessoas o apetite aumenta quando estão tristes, irritadas, estressadas, felizes, entediadas, e então não conseguem parar de pensar em comida! Este é o seu caso?

Se sim, calma, respira que vamos te explicar como o comer emocional funciona, como perceber e como lidar com essa fome psicológica.

Como diferenciar a fome fisiológica da fome emocional?

É comum falarmos a todo momento que estamos com fome, mesmo sem sentir aquele aperto no estômago. Isso acontece porque existem 9 tipos de fome. Para simplificar, usaremos apenas 2 tipos, a fome das células (fisiológica) e a do coração (emocional).

A fome fisiológica chega devagar. De início não damos atenção a ela e aos poucos começamos a sentir o estômago roncar, a cabeça doer, um pouco de tontura e até irritabilidade, nesse estágio nos damos conta que precisamos comer algo antes que o nosso corpo entre em pane. A fome fisiológica pode ficar satisfeita com qualquer alimento e logo passa quando nos alimentamos.

A fome emocional está diretamente ligada aos nossos desejos, sentimentos e ao nosso psicológico, por isso é uma fome do coração. Esta chega de repente e é altamente específica – quando você está com vontade daquele sorvete de chocolate do restaurante que costumava ir quando era pequeno e nenhum outro te satisfaz.

Normalmente, quando não encontramos ou não sabemos exatamente o que estamos com vontade de comer, saímos beliscando tudo que há no armário para aliviar essa vontade.

Também pode acontecer de não estarmos exatamente com vontade de comer, mas ficar sentado na frente do computador o dia inteiro é basicamente um pedido para que a cada 30 minutos você vá até a cozinha em busca de algum petisco.

É fome emocional, e agora?

Não há nada de errado em comer por motivos emocionais, mas é importante identificar quando utilizamos a comida para suprir sentimentos e sensações.

Comer quando está cansado vai te deixar menos cansado?
Não, descansar te trará descanso.

Seja qual for o sentimento, é importante buscar a fonte dele. Se for muito difícil de decifrar, busque ajuda!

A terapia psicológica fará você acessar com profundidade seus anseios e a partir disso você terá liberdade para escolher se comer é o melhor caminho para lidar com este sentimento ou se existe alguma outra forma de se distrair ou encarar o problema.

Como parar de pensar em comida?

Veja algumas dicas do que fazer quando perceber que sua fome é emocional e não fisiológica:

  • Ouvir música
  • Passear com seu cachorro
  • Conhecer um museu
  • Ir ao cinema
  • Dormir
  • Simplesmente conversar sobre o que está acontecendo e o que está sentindo.

Identificar como é a sua relação com a comida é um passo importante para uma vida saudável e mais tranquila.

Quando percebemos os pensamentos e sentimentos em relação ao comer emocional conseguimos lidar melhor com a alimentação e assim temos muito mais tempo para nos dedicar em outros assuntos.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.